Estudo: Obesidade faz cérebro diminuir e aumenta risco de Alzheimer 345

De acordo com um estudo publicado no “Journal of Alzheimer´s Disease” denominado por “Padrões de fluxo sanguíneo cerebral regional como função da obesidade em adultos”, quanto mais o peso aumenta, mais as regiões do cérebro diminuem em atividade e fluxo sanguíneo.

O estudo da autoria de Daniel Amen, Joseph Wu, Noble George e Andrew Newberg, teve como objetivo “identificar padrões de anormalidade de perfusão cerebral em adultos em função do índice de massa corporal (IMC), categorias de peso definidas, incluindo sobrepeso ou obesidade”.

Para isso, os investigadores analisaram mais de 35.000 exames de neuroimagem funcional usando tomografia computadorizada de emissão de fóton único de mais de 17.000 indivíduos para medir o fluxo sanguíneo e a atividade cerebral.

O baixo fluxo sanguíneo cerebral é o indicador de que uma pessoa desenvolverá a doença de Alzheimer. Também está associado a depressão, transtorno bipolar, esquizofrenia, lesão cerebral traumática, vício, suicídio e outras condições.

Após a análise dos dados verificaram que na idade adulta, o IMC mais alto se correlacionou com a diminuição da perfusão em exames de SPECT cerebral em repouso e concentração.

“Este estudo mostra que o excesso de peso ou obesidade impacta na atividade cerebral e aumenta o risco de doença de Alzheimer, bem como muitas outras condições psiquiátricas e cognitivas”, explicou Daniel G. Amen, MD, principal autor do estudo.

Pode consultar o estudo aqui.

Envie este conteúdo a outra pessoa