Crianças que tomam antibióticos têm um maior risco de desenvolver doenças crónicas 261

Um estudo publicado na revista Mayo Clinic Proceedings, indica que crianças com menos de dois anos que tomam antibióticos enfrentam um maior risco de desenvolver doenças crónicas, como é o caso da asma no início da infância, alergias respiratórias, eczema, doença celíaca, obesidade, défice de atenção e hiperatividade.

O trabalho publicado no passado dia 15 de novembro, denominado por “Association of Infant Antibiotic Exposure With Childhood Health Outcomes“, é da autoria de Zaira Aversa, Elizabeth J. Atkinson, Marissa J. Schafer, Regan N. Theiler, Walter A. Rocca, Martin J. Blaser, e Nathan K. LeBrasseur.

Este estudo teve como intuito investigar até que ponto a exposição a antibióticos nos primeiros 2 anos de vida está associada ao risco de problemas de saúde imunológicos, metabólicos e neurocomportamentais com início na infância.

Embora estudos anteriores tivessem já analisado a associação entre antibióticos e doenças isoladas, este é o primeiro a analisar a associação em doenças múltiplas.

A investigação incluiu 14.572 crianças (7.026 meninas e 7546 meninos), nascidas no condado de Olmsted, Minnesota, entre 1º de janeiro de 2003 e 31 de dezembro de 2011, por meio do sistema de vínculo de registros médicos do Rochester Epidemiology Project. Destas, 70% (10.220) receberam pelo menos 1 prescrição de antibiótico durante os primeiros 2 anos de vida.

Os cientistas descobriram que os antibióticos estavam associados a doenças metabólicas (obesidade, excesso de peso), doenças imunológicas (asma, alergias alimentares, febre do feno) e condições ou distúrbios cognitivos (TDAH, autismo).

“A exposição precoce a antibióticos foi associada a um risco aumentado de asma de início na infância, rinite alérgica, dermatite atópica, doença celíaca, sobrepeso, obesidade e transtorno de déficit de atenção e hiperatividade. As associações foram influenciadas pelo número, tipo e tempo de exposição ao antibiótico. Além disso, as crianças expostas a antibióticos tinham uma probabilidade maior de apresentar combinações de doenças, principalmente quando recebiam prescrições múltiplas”, indica o estudo.

A equipa descobriu ainda que o risco associado era maior quanto mais antibióticos fossem administrados, sendo o risco também mais elevado quando estes são tomados no início de vida da criança, especialmente nos primeiros seis meses

Pode consultar o estudo aqui.

Envie este conteúdo a outra pessoa