APDP esclarece mitos sobre alimentação nas pessoas com diabetes 562

Em vésperas de se comemorar o Dia Mundial da Alimentação, a Associação Protectora dos Diabéticos de Portugal (APDP), decidiu emitir um comunicado com o intuito de repor “a verdade relativamente a alguns aspetos sobre alimentação e diabetes”.

O primeiro ponto abordado, num total de seis, a APDP esclarece que “a alimentação das pessoas com diabetes deve incluir todos os grupos de alimentos de forma equilibrada e variada, tal como se recomenda na alimentação saudável de qualquer pessoa sem diabetes”.

Claro que existem “alguns cuidados importantes pela necessidade de controlar os níveis de glicemia (açúcar no sangue), de conseguir um peso saudável e de manter os níveis de colesterol, triglicéridos e pressão arterial normais”, contudo o desafio “é aprender a ingerir as quantidades certas em cada refeição, para uma boa gestão calórica e controlo dos níveis de glicose após as refeições e ao longo do dia, tendo ainda em consideração fatores como a idade, o peso e o tipo de terapêutica”.

O segundo ponto apresentado são os doces. Para a APDP, “as pessoas com diabetes podem ingerir doces, mas não todos os dias. O mesmo conselho é dado aliás a toda a população. São no geral alimentos ricos em açúcar, gordura e calorias, que contribuem para o pior controlo glicémico e excesso de peso”.

Quanto à ideia de quem come muito açúcar vai ter diabetes, a APDP explica que “a alimentação rica em açúcares adicionados é, para além da alimentação hipercalórica, do excesso de peso, da obesidade e do sedentarismo, entre outros, um dos fatores que aumenta o risco da diabetes tipo 2”.

Outro dos mitos explicado pela APDP, é sobre as pessoas com diabetes e o seu consumo de fruta. Há a ideia errada de que podem comer fruta sem restrição ou quantidade.

“A fruta, contém hidratos de carbono e é rica em outros nutrientes fundamentais como a fibra, vitaminas, sais minerais e anti-oxidantes. Deve integrar o plano alimentar das pessoas com diabetes, mas como todos os alimentos, em porções recomendadas. No geral cerca de 3 doses de fruta diárias, privilegiando a fruta fresca (não em sumo) e quando possível com casca, por apresentar um maior teor de fibra com benefícios para o controlo da glicemia, do colesterol, da saúde intestinal, entre outros”, explicam.

No que respeita aos hidratos de carbono, “as pessoas com diabetes, têm necessidade de controlar ou gerir a quantidade de hidratos de carbono em cada refeição e o tipo de alimentos que fornece esses hidratos de carbono. Mas quantificar ou reduzir quando em excesso, não é o mesmo que eliminar, com vários riscos para a saúde. A quantidade total varia com a idade, género, peso e nível de atividade física, sendo que a gestão relacionada com a distribuição ao longo do dia (número de refeições e quantidades) é adaptada aos objetivos e tipo de tratamento de cada pessoa com diabetes”, explica a Associação, na nota divulgada.

O último ponto abordado tem a ver com as gorduras. Sobre este ponto a APDP explica que “as gorduras devem ser ingeridas com moderação devido ao elevado valor energético, no entanto considerar a qualidade é fundamental para a saúde cardiovascular, dando preferência às gorduras insaturadas como as que existem no azeite, atum, cavala, salmão e outros peixes, no abacate, ou em frutos oleaginosos sem sal (amêndoas, nozes, avelãs, …)”.

A APDP termina por deixar um aviso: “O maior combate pela prevenção da diabetes é a redução da obesidade”.

“Em Portugal temos mais de um milhão de pessoas com diabetes e mais de 50% da população com obesidade ou excesso de peso, uma população que precisa urgentemente de ser incentivada e ajudada a comer melhor e a mexer-se mais”.

Envie este conteúdo a outra pessoa