Notícias

Investigadora do Porto distinguida por projeto sobre doença inflamatória intestinal

 

 

04 de dezembro de 2018

Uma investigadora do Instituto de Investigação e Inovação (i3S), no Porto, foi distinguida pela Organização Internacional para o Estudo das Doenças Inflamatórias Intestinais (IOIBD) com um projeto que visa «identificar a causa da doença e definir estratégias preventivas».

Em entrevista à agência “Lusa”, Salomé Pinho, líder do grupo de investigação Immunology, Cancer & GlycoMedicine do i3S da Universidade do Porto e a primeira investigadora portuguesa a ser premiada pela organização IOIBD, revelou hoje que o projeto visa «identificar a causa e prevenir o desenvolvimento» da doença inflamatória intestinal, que engloba a doença de Crohn e a colite ulcerosa.

«Neste momento o que existe é o tratamento após o diagnóstico e toda uma panóplia de avaliações clínicas, terapêuticas e de monitorização do doente. O que pretendemos é atuar antes, ou seja, na prevenção e na capacidade de prever o início da doença», frisou a investigadora.

O projeto, denominado "Predict: Identificação de mecanismos causais na doença inflamatória intestinal", e que conta com a colaboração do médico e professor americano Jean-Frederic Colombel e de investigadores da Faculdade de Medicina Icahn (Estados Unidos da América), vai analisar, numa primeira fase, uma população de indivíduos americanos «única a nível mundial».

«Esta população vai nos permitir estudar o antes e o depois da doença, isto porque são indivíduos que não tinham a doença, mas que, entretanto, a desenvolveram», contou.

Segundo Salomé Pinho, a doença inflamatória do intestino tem, a nível mundial, um pico de incidência entre os 15 e 30 anos, afetando sobretudo a população mais jovem e ativa.

«Esta é uma doença devastadora porque o comprometimento social destes doentes é imenso e porque obriga a hospitalizações consecutivas. Portanto, qualquer estratégia que possa identificar os mecanismos causais vai abrir seguramente janelas para o desenvolvimento de terapias capazes de prevenir o desenvolvimento da doença», frisou.

O projeto, que se inicia em janeiro, pretende assim, nos próximos três anos, definir estratégias de prevenção e desenvolver «metodologias inovadoras».

«Vamos desenvolver metodologias de diagnóstico não evasivas e que vão permitir identificar qual a via que está por detrás dos mecanismos desta doença», acrescentou Salomé Pinho.

Esta é a primeira vez que uma investigadora portuguesa é distinguida pela Organização Internacional para o Estudo das Doenças Inflamatórias Intestinais (IOIBD), uma organização que reúne médicos e cientistas internacionais e que financia projetos inovadores para o desenvolvimento de tratamentos curativos da doença.